A Noviça Rebelde

soundofmusic

O post seria sobre A Intrusa, que revi por estes dias, mas tive de escrever este no lugar, de supetão, movido por uma nova revisão de A Noviça Rebelde, o filmaço de Robert Wise criminosamente adulterado pelo Telecine Cult – passou em 1.78:1, quando o formato certo é 2.35:1. Ou seja, a falta de tarjas em cima e em baixo faz com que às vezes uma ou duas das sete crianças fiquem fora do enquadramento em que deveriam estar. Antes do DVD, lamentávamos o full screen dos filmes passados na TV ou lançados em VHS. Mas entendíamos que ver na TV era uma perda muito maior, mas necessário para o aprendizado cinematográfico. Hoje, com as TVs grandes e os DVDs e Blu-rays no formato certo, parece-nos impensável ver um filme desrespeitado desse jeito.

O fato é que A Noviça Rebelde se aguenta muito bem, mesmo com os problemas no enquadramento televisivo. Impossível esquecer o chiaroscuro nas cenas do convento e o encontro final com a madre superiora, quando ela canta (foto) uma das mais belas canções já compostas por Rodgers e Hammerstein, “Climb Ev’ry Mountain”, e convence a noviça Julie Andrews a seguir o caminho de seu coração, preenchendo novamente com música a casa dos Von Trapp. Outro momento convidativo às lágrimas é quando Julie Andrews canta “My Favorite Things” (Rodgers e Hammerstein, gênios) para as crianças, que foram se proteger dos trovões em seu quarto.

Quando ela sai do convento rumo à mansão do Capitão Von Trapp temos Hollywood sendo influenciada pela Nouvelle Vague, com cortes absurdamente modernos, como bem observou o amigo Francisco Conte. E também quando se casa: corta da penumbra do jardim onde o capitão se declara para o véu de noiva já caindo no rosto dela. Depois um plano mais aberto no convento para vermos o vestido branco todo em contraponto ao preto das roupas das freiras. Depois o órgão da igreja, a caminhada até o altar, a câmera subindo até o alto do altar e, num corte, subindo aos céus como se tivesse quebrado o teto da igreja, os sinos badalando. A perfeição. Corta de novo, desta vez para a sombra do nazismo que introduzirá o terceiro ato.

Não é só uma obra-prima esse filme que mostra como Hollywood pode ressurgir das cinzas frequentemente com sua fábrica dos sonhos. No momento, provavelmente é um dos meus dez filmes de cabeceira.

Anúncios

11 Respostas

  1. Fernando José Gomes | Responder

    É reconfortante ler um crítico que tem coragem de expressar o que pensa sem se censurar. Robert Wise deu ao mundo várias obras primas. O chamam de artesão, como se isso fosse uma ofensa terrível. Ele era um artesão com certeza. mas um artesão excepcionalmente brilhante que colocava o seu talento a serviço do filme e
    não o filme a serviço do seu ego, como muitos “artistas” fazem. NOVIÇA REBELDE não era um projeto seu, ele pegou “o bonde andando” e transformou a “encomenda” da FOX em um filme excepcional (apesar do ator Plummer ser um tanto inadequado para o papel). Não se pode esquecer que a grande Julie Andrews “caiu do céu” para dar uma excepcional ajuda a Wise. Esses rótulos de artista e de artesão não dizem muita coisa, creio que o melhor critério é conhecer as obras, se entre elas existir um significativo número de grandes obras se torna claro que é um artista de grande talento, não importando muito a maneira como ele atinge esse resultado. Um abraço

  2. Sérgio, está fora do contexto do post, porém tudo é cinema. Vi Táxi Teerã do diretor Iraniano Jafar Panahi. Gostei e comprei mais três dvds do realizador por curiosidade do cinema iraniano. Qual a sua opinião a respeito do Jafar? Obrigado. Abraços.

    1. Teixeira, acho o Taxi Teerã interessante, mas ele tem filmes melhores. Gosto muito de O Balão Branco, O Círculo e Fora de Jogo.

      1. Comprei hoje, a seu mando, o Fora de Jogo, que deve ser muito divertido, pela temática. Mas, você acha o Jafar um diretor interessante?

      2. Sérgio Alpendre

        acho sim, claro.

  3. Sérgio, ‘A noviça rebelde’ é o melhor filme de Robert Wise? Quais outros filmes do diretor você consideraria obra-prima? Se não for muito incômodo, você poderia elaborar um top 10 do diretor?

    1. É o melhor, sim.

  4. Prezado Sérgio, você me lavou a alma. Eu sempre tive um pouco de vergonha de afirmar que a Noviça era um dos meus top ten (pra não dizer top five), e corria a indicar Cidadão Kane. Agora, graças ao seu texto, posso ser mais sincero. Considero também a cena que você comentou a mais emocionante do filme (junto com a canção Climb Ev’ry Mountain).
    Por fim, restou mencionar a interpretação de John Coltrane para My Favourite Things, que é aquela que eu levaria para a ilha deserta.
    Um abraço.

  5. Sérgio. quais os restantes 9 de cabeceira (contando noviça)?

    1. Luiz (e Emerson). Eu não sei quais seriam os outros nove, pois eles mudam sempre. Só sei que no momento Noviça estaria. Mas em abril a história pode ser outra, já que sempre revejo filmes.

  6. Sérgio, já que você tocou no assunto, quais seriam os teus outros noves filmes de cabeceira no momento? E quanto ao gênero musical, tu poderias fazer um top 10 de todos os tempos em um futuro post para nós? Obrigado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: